2018 — Ano do Blockchain

by Checchia
8 minutos
2018 — Ano do Blockchain

Se em dezembro de 2017 havia o alvoroço do Bitcoin beirando os R$ 60.000,00, dezembro de 2018 fecha com o Bitcoin em R$ 18.000,00.

Mas, 2018 foi o ano em que as criptomoedas foram notícia e o blockchain ficou em evidência…. Empresas como Embratel, Banco Santander, AWS Amazon e outras disponibilizaram seus produtos e serviços. Ou, ainda, como o Santander, adotaram o blockchain como um produto CORE de suas atividades.

Mas o que é o blockchain?

O conceito de blockchain (ou cadeia de dados) surgiu em 2008 e representa, basicamente, uma forma de validar uma transação ou registro. Desenvolvido para dar mais segurança às transações digitais, por ser imutável (uma vez registrado não pode se apagar, editar ou corrigir) o blockchain é a inovação que está por trás da moeda digital.

Ao mesmo tempo que a tecnologia por trás do blockchain é complexa, o seu conceito é bastante simples. As informações são armazenadas em blocos de dados. Cada bloco contém uma espécie de assinatura digital chamada hash — que funciona basicamente como uma impressão biométrica. O hash é a garantia criptográfica de que as informações desse bloco de dados não foram violadas.

Os dados de todas as transações são gravadas na ledger. A ledger é comparada a um grande livro-razão. Lá, estão abertas para todos as informações do que ou quanto foi enviado para alguém — nada de nome ou documentos, apenas o endereço composto por letras e números embaralhados.

---

2018 foi o ano em que me aprofundei no mundo das Criptomoedas; Atuei como CTO de uma, a Lunes (https://lunes.io), onde foi possível ver as possibilidades para o uso do Blockchain. Várias empresas propuseram negócios para a Lunes, para uso do Blockchain, mas estavam fora do CORE da Lunes e do Roadmap fechado com a sua comunidade de investidores — ICO.

Alguns exemplos de possibilidades que poderiam ser abordadas por outras criptos:

  • Rastreamento de Encomendas: Um aplicativo no celular (ou caminhão) do entregador, enviando as coordenadas por GPS e gravando no Blockchain de forma definitiva. Ao entregar a encomenda, o usuário escaneia um QRCode na NF que irá confirmar o recebimento da encomenda em tempo real.
  • Plataforma de Recompensas e Cachback: Cada compra em um estabelecimento parceiro retorna em pontos para você (eu sei, várias empresas já fazem isto). Agora imagine comprar em um mercado R$ 1.000,00 e receber 1.000 pontos para gastar em compras em qualquer estabelecimento da rede (mercados, farmácias, padarias, etc). Imagine ainda a possibilidade de enviar pontos para outras pessoas de forma rápida e prática. Para o comerciante, é ótimo ter este volume em compras; para você, é ótimo ser recompensado por adquirir produtos da rede.
  • Análise de Risco e crédito: Agora imagine você ser uma pessoa que só compra em dinheiro. Seu Score nas ferramentas de crédito é como o meu: menos de 200. Em uma emergência, como você adquire bens e produtos com um score tão baixo? Esta mesma rede, por saber seus pontos e saber suas compras em outros estabelecimentos, é capaz de realizar uma análise de crédito baseada em suas compras efetivas, inclusive com pagamento em dinheiro! Será possível criar um score REAL, e não somente baseado no mercado financeiro.
  • Privacidade: Imagine ainda que todos estes dados de compras e movimentação são seus. Nenhuma empresa é proprietária da informação e você compartilha com a empresa SE você achar conveniente. Caso contrário, somente os dados públicos (que você determinou como públicos) são visíveis.

Tudo isto já é possível hoje. Existem startups olhando para este mercado, inclusive com ICO em andamento.

O mundo está mudando — já mudou bastante — e as possibilidades de uso do blockchain são enormes!

Se 2017 foi o ano do Bitcoin e 2018 das criptomoedas, 2019 será o ano do Blockchain. Prepare-se.